quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Dólar chega a R$ 2,88 e frustra quem vai viajar


CASAS DE CÂMBIO

Dólar chega a R$ 2,88 e frustra quem vai viajar

17.12.2014

Mudança no câmbio afeta diretamente os brasileiros que terão de comprar a moeda antes de embarcar


Image-0-Artigo-1762079-1
O dólar turismo fechou ontem a R$ 2,84 - elevação que teve reflexo nas casas de câmbio, onde chegou a ser vendido, temporariamente, por R$ 2,90
FOTO: REUTERS
Image-0-Artigo-1762135-1
Para o presidente da CNI, sem as reformas necessárias, somente o câmbio e os juros podem tornar a indústria brasileira mais competitiva
FOTO HONÓRIO BARBOSA
São Paulo/Fortaleza. O dólar voltou a subir de forma acentuada ante o real e ontem chegou ao maior nível em mais de nove anos. No fim do dia, o dólar fechou com alta de 2,01%, aos R$ 2,7410, marcando o maior patamar de encerramento desde 23 de março de 2005 (R$ 2,7500). A mudança no câmbio afeta diretamente os brasileiros que precisarão comprar dólar para viajar. O dólar turismo fechou ontem a R$ 2,84 - elevação que também gerou aumento no valor praticado nas casas de câmbio da Capital.
Na tarde de ontem, a reportagem pesquisou o preço do dólar em diversas unidades de Fortaleza. O menor valor encontrado foi R$ 2,85, na Ourominas. Contudo, segundo a supervisora administrativa do local, Marina Garcia, a moeda chegou a ser vendida a R$ 2,90 durante a manhã, baixando de preço ao longo do dia. Na Tour Star, o dólar turismo era vendido ontem a R$ 2,88 - mesmo preço praticado na Topping Tour. O valor foi o maior encontrado pela reportagem no fim da tarde de ontem, após o fechamento da moeda. Já na Sadoc, o preço praticado era de R$ 2,87. Para Marina, embora a alta tenha pesado no bolso dos clientes, a maior parte teve de arcar com a mudança no câmbio, por já ter passagens compradas para viajar ainda neste ano.
Expectativa frustrada
Preparando-se para viajar aos Estados Unidos no próximo mês, a jornalista Rebeca Marinho, de 23 anos, diz lamentar não ter já comprado o dinheiro que usará na viagem. "Estava esperando que baixasse mais perto (da viagem), mas não tive sorte", conta.
Para Rebeca, o impacto da alta do dólar só não foi maior devido ao planejamento que realizou nos últimos meses, durante os quais poupou dinheiro suficiente para arcar com os gastos inesperados.
A moeda foi impulsionada pela aversão ao risco que se espalhou nos mercados financeiros, depois que a continuidade da queda dos preços do petróleo favoreceu um ataque especulativo contra a moeda da Rússia.
Diversos fatores
Segundo o vice-presidente do Instituto Brasileiro dos executivos de Finanças no Ceará (Ibef-CE), Ênio Arêa Leão, a recuperação da economia norte-americana, bem como fatores internos ligados ao cenário econômico brasileiro, também contribuíram para a alta do dólar nos últimos dias.
Conforme o economista, a tendência, para as próximas semanas, é que o dólar continue avançando. Para os brasileiros que viajarão no fim deste ano, ressalta, o ideal é comprar logo o dólar. "Se a pessoa pode arcar com os gastos, sem ter que cancelar a viagem, é preferível assumir logo esse custo", frisa.
Nas últimas cinco sessões, o dólar acumulou alta de 5,63%. O volume de negócios totalizava US$ 1,235 bilhão perto das 16h30, sendo US$ 1,055 em D+2. No mercado futuro, o dólar para janeiro subia 1,46%, aos R$ 2,7465.
O Banco Central russo tentou conter a queda livre do rublo com uma medida drástica: elevou a taxa de juros do país de 10,50% para 17%. No entanto, o esforço foi em vão, já que a moeda chegou a perder 20% de seu valor em relação ao dólar mais cedo, intensificando preocupações com uma possível crise financeira no país.
Ceticismo
Apesar das declarações, os investidores se mantiveram céticos sobre a capacidade da Rússia em administrar a crise e se refugiaram em ativos considerado seguros, como iene e os bônus dos Estados Unidos.
Indústria quer moeda mais cara
São Paulo. A desvalorização do real frente ao dólar é vista com bons olhos pelos exportadores. Mas, na visão da CNI (Confederação Nacional da Indústria), para dar competitividade ao setor, o ideal é que o dólar fique ainda mais caro.
"As reformas necessárias vão levar ainda muitos anos. Então o que pode fazer com que tenhamos competitividade (no curto prazo)? Câmbio e juros. O dólar deveria estar hoje mais perto de R$ 3 do que de R$ 2,70", afirmou Robson Andrade, presidente da CNI, ontem.
Ele afirmou, contudo, que é preciso um câmbio estável. Segundo Andrade, para que a indústria nacional tenha condições de competir, será preciso promover a reforma tributária, melhorar a infraestrutura do País e desburocratizar o comércio exterior.
Retração
Em 2014, a indústria deve fechar o ano com retração de 1,5%, enquanto a economia brasileira deve ficar estagnada, com alta de apenas 0,3%, estima a entidade.
Com exportações em queda, o Brasil deve ter saldo comercial negativo de US$ 4,5 bilhões, o primeiro deficit em quatorze anos. Para 2015, a previsão é de expansão de 1% no PIB industrial e na economia do país como um todo. Tal avanço, de acordo com a entidade, dependerá do sucesso do ajuste fiscal promovido pela nova equipe econômica de Dilma Rousseff.
Após um ano de 2014 "difícil e duro", durante o qual o setor industrial teve "desempenho frustrante", a CNI prevê leve melhora dos indicadores econômicos em 2015. A expectativa da entidade é que o PIB (Produto Interno Bruto), cresça timidamente ao longo do próximo ano e que os juros continuem em alta, freando o consumo e os investimentos.
Crescimento de 1%
Segundo o Informe Conjuntural Anual, estudo da CNI com previsões sobre a economia, o PIB deve crescer 1% no ano que vem, ou seja, metade dos 2% estimados pelo governo. Este ano, pelos cálculos dos economistas da CNI, o crescimento não passará de 0,3%, resultado que indicaria estagnação.
A entidade calcula que os juros terminarão, em 2015, em torno de 12,5% e que a inflação encerrará o próximo ano em 6,2%, quase o limite superior da meta fixada pelo governo

Senado aprova texto-base do novo Código de Processo Civil

Propostas de alteração do texto principal devem ser votadas nesta quarta.
Código pretende dar mais celeridade ao julgamento de ações civis.


Após cinco anos de tramitação, o Senado Federal aprovou nesta terça-feira (16) o texto-base do projeto que institui o novo Código de Processo Civil. Para que o texto seja enviado para sanção da presidente da República, o plenário ainda terá que analisar 19 destaques (propostas de alteração), o que poderá ocorrer na sessão desta quarta-feira (17).

O principal objetivo do novo código é dar mais celeridade ao julgamento de ações civis. Entre as inovações aprovadas estão o julgamento de causas por ordem cronológica; a audiência de conciliação no início do processo, para se tentar acordo e evitar abertura de ação; a cobrança de multa para quem entrar com muitos recursos seguidos; e a determinação de que decisões de tribunais superiores devem orientar casos semelhantes.

O projeto é de iniciativa do senador José Sarney (PMDB-AL) e foi elaborado por uma comissão de juristas presidida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, que acompanhou a votação no plenário do Senado.

O texto já havia sido foi aprovado pelo Senado em dezembro de 2010 e pela Câmara dos Deputados em março de 2014, mas, devido às mudanças introduzidas pelos deputados federais, teve que retornar para a análise dos senadores.
O Código de Processo Civil atualmente em vigor tem quase 40 anos – é de janeiro de 1973. O código é um conjunto de leis que determina os ritos da Justiça, como prazos, competências e tramitações. É diferente do Código Civil – atualizado em 2002 –, que define questões como guarda de filhos, divórcio, testamento, propriedade e dívidas.

No último dia 4, o relatório do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) foi aprovado de forma simbólica pela comissão especial criada para consolidar as mudanças feitas pelos deputados. A aprovação gerou protesto do líder do PSDB, Aloysio Nunes (SP), porque a sessão da comissão teve presença de somente dois senadores.

A pedido de Aloysio Nunes, os líderes partidários concordaram em votar nesta terça-feira apenas o texto-base e deixar para o dia seguinte a apreciação dos destaques.
O relator Vital do Rêgo, com apoio de DEM e PMDB, chegou a propor a votação em bloco de todas as alterações que tinham pareceres favoráveis, mas não conseguiu apoio unânime de todos os líderes.

Adversários, Aloysio Nunes e o líder do PT, Humberto Costa, pressionaram pelo adiamento da votação dos destaques a fim de garantir mais tempo para análise dos itens.
“Veja bem como o mundo está virado. Eu e o senador Humberto Costa estamos juntos nesse pedido”, afirmou o tucano, provocando risos.

O ministro do STF, Luiz Fux, subiu à tribuna do plenário para defender o texto. Segundo o magistrado, o atual código “precisava ser simplificado”. “O Brasil consagrava uma litigiosidade desenfreada impedindo que os tribunais se desincumbissem das suas ações”, afirmou.
Para o ministro, a principal contribuição do novo código é o desestímulo aos recursos e a simplificação dos procedimentos, o que, segundo ele, vai diminuir em 50% a duração dos processos.

“Simplificamos muitíssimo os procedimentos, o que vai fazer com que a duração do processo se reduza em torno de 50% do tempo que hoje se leva para se obter uma resposta judicial. Procuramos eliminar certas formalidades, uma série de recursos que postergavam muito a possibilidade de um juiz dar a resposta em um tempo razoável”, afirmou o magistrado.
Veja abaixo as principais mudanças do novo Código de Processo Civil, conforme texto-base aprovado pelo Senado – caso destaques sejam aprovados posteriormente, alguns pontos podem ser modificados.

Pensão alimentícia
Passa de três para dez dias o prazo para pagar dívida por pensão. No caso de não pagamento, o devedor poderá ser preso inicialmente em regime semiaberto por até três meses, quando pode deixar o presídio de dia para trabalhar. Se reincidir no débito, vai para o regime fechado. Prevê obrigatoriedade de cela separada nos dois casos e, se não houver possibilidade, estipula prisão domiciliar.

Reintegração de posse
Determina realização de audiência pública para ouvir todos os lados antes de decidir sobre a reintegração quando o local estiver ocupado por mais de 12 meses.

Empresas
Cria restrições para penhora de dinheiro de empresas para assegurar a continuidade do funcionamento - limita em 30% do faturamento. Também obriga que juízes ouçam empresários antes de confiscar bens individuais para pagamento de dívidas das empresas decorrentes de fraudes.

Ordem cronológica
Pela regra, os juízes terão que julgar processos pela ordem de chegada. Isso evitará que ações novas sejam julgadas antes de antigas.
Conciliação
O código prevê que a tentativa de conciliação deve ocorrer no início de todas as ações cíveis.

Recursos
O texto prevê multa para as partes quando o juiz constatar que o recurso é utilizado como forma de protelar o fim da ação. Retira a possibilidade de agravo de instrumento para decisões intermediárias (sobre provas, perícias, etc). Acaba com o embargo infringente, no caso de decisão não unânime, mas prevê que o caso seja reavaliado por outra composição.

Ações repetitivas
Prevê que uma mesma decisão seja aplicada a várias ações individuais que tratam do mesmo tema. Entre as ações que podem ser beneficiadas estão processos contra planos de saúde e empresas de telefonia. Nesses casos, todas as ações de primeira instância serão paralisadas até que a segunda instância tome uma decisão.

Ações coletivas
Outra novidade é que ações individuais poderão ser convertidas em ações coletivas. Antes, as partes serão consultadas sobre se aceitam a conversão do processo.

Vinculação de decisões
Atualmente, apenas as súmulas vinculantes do Supremo Tribunal Federal devem ser seguidas necessariamente pelos outros tribunais. O texto prevê que juízes e tribunais devem necessariamente seguir decisões do plenário do Supremo em matéria constitucional e da Corte Especial e seções do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em outros temas. Se não houver decisão dos tribunais superiores, a primeira instância necessariamente deve seguir a segunda instância.

Liminares
Cria a chamada tutela de evidência, que permite que a sentença judicial saia já na decisão liminar para garantir um direito urgente ou se houver entendimentos firmados por cortes superiores.

sábado, 29 de novembro de 2014

Disputa pela presidência da Câmara se acirra e pode ter até 4 candidatos

Líder do PMDB lançará candidatura oficialmente na próxima terça-feira.
Deputado do PSB articula apoios; PT e PDT também querem ter candidatos.


Fernanda CalgaroDo G1, em Brasília
A disputa pela presidência da Câmara dos Deputados vai se acirrar a partir desta semana, com o lançamento oficial na próxima terça-feira (2) da candidatura do líder do PMDB na Casa, deputado Eduardo Cunha (RJ). Embora ainda faltem dois meses para a eleição, prevista para 1º de fevereiro, a articulação entre os parlamentares segue intensa e até quatro nomes poderão concorrer.
Segundo o deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), próximo a Cunha, o líder peemedebista já promoveu oito jantares, que reuniram deputados de diferentes legendas, com o objetivo de angariar apoios em torno do seu nome e, até o final do ano, serão mais oito.
O PT já anunciou que pretende ter candidato próprio, e o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) conseguiu respaldo de seu partido para tentar viabilizar a candidatura.
O líder do PDT, Félix Mendonça Júnior (BA), também articula com PROS e PCdoB a formação de um bloco para concorrer à vaga. As conversas deverão ser intensificadas nesta semana para chegar a um consenso até o dia 10 de dezembro. “Queremos alguém que não seja governista nem oposicionista”, disse Mendonça Júnior. Entre os nomes cogitados estão os de André Figueiredo (PDT-CE), Mário Heringer (PDT-MG), suplente que foi eleito, e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).
Eduardo Cunha
Cunha é desafeto do Palácio do Planalto por assumir uma postura mais independente, mesmo pertencendo ao partido do vice-presidente da República, Michel Temer. Cunha chegou a liderar rebeliões da base aliada e impôs diversas derrotas ao governo em votações na Câmara.
Ele tem se confrontado com o PT, que, por deter a maior bancada da Casa, não pretende abrir mão do comando da Casa. Na próxima legislatura, o PT terá 70 deputados e o PMDB, 66 (segunda maior bancada).
Cunha já recebeu o apoio do Solidariedade e doPSC. A expectativa é que mais legendas deem aval publicamente à candidatura dele. As conversas estão avançadas com PTB e PR, partidos que, com o PMDB, o SD e o PSC, compõem o chamado “blocão”, grupo de descontentes com o governo federal e que atuam de forma independente.
“Já estamos fechados com o Cunha”, afirmou o líder do PSC, André Moura (SE) sobre almoço da bancada realizado na quarta (26).
Temos uma possibilidade com Júlio Delgado, mas a gente também observa com simpatia a articulação que está sendo feita pelo Cunha.”
Deputado Antonio Imbassahy, líder do PSDB
Para marcar o lançamento da candidatura, Cunha promoverá um ato no Salão Verde da Câmara às 18h desta terça. São esperados integrantes de vários partidos, de acordo com o deputado Danilo Forte (PMDB-CE), outro aliado de Cunha. “Isso vai mostrar a pluralidade que a candidatura tem.”
O líder do PTB, Jovair Arantes (GO), afirma que, embora o apoio oficial não tenha sido dado, há uma tendência de que a bancada fique mesmo com Cunha. “Ele tem demonstrado uma independência muito grande na Casa”, avalia.
Oposição
Determinados a ver o PT derrotado na disputa, os partidos de oposição também sinalizam na direção do concorrente. “O Cunha tem conversado frequentemente conosco”, conta o líder do DEM, Mendonça Filho (PE), sem, por enquanto, bater o martelo.
O líder do PSDB, Antonio Imbassahy (BA), também vê com bons olhos a candidatura de Cunha. “Temos uma possibilidade com Júlio Delgado, mas a gente também observa com simpatia a articulação que está sendo feita pelo Cunha.”
Mais reservado, o líder do PPS, Rubens Bueno (PR), prefere aguardar uma definição do cenário. Ele diz que, no momento, a prioridade é articular a formação de um bloco parlamentar. “Temos que ver o conjunto da ópera para saber como vamos atuar enquanto oposição.”
Tem muito tempo ainda. Quem tem pressa, come cru."
Deputado José Guimarães,
vice-presidente nacional do PT
PT
Apesar da decisão pública de lançar candidato, o PT ainda não fechou a estratégia. Arlindo Chinaglia (PT-SP) é um dos nomes para a presidência – ele já presidiu a Câmara no período 2007-2008 – mas, internamente, não há consenso sobre o que o partido deve fazer. Há até quem defenda um acordo com Cunha.
Vice-presidente nacional da legenda, o deputado José Guimarães (CE) diz que “está tudo em aberto” e que o assunto só ganhará força a partir desta segunda (1º). “Tem muito tempo ainda. Quem tem pressa, come cru”, alfineta.
Sobre a entrada de mais candidatos na disputa, Guimarães é pragmático: “Quanto mais cabra, mais cabrito. Quanto mais candidatos, melhor.”
Júlio Delgado
Com o aval dado pelo PSB, o deputado Júlio Delgado diz que vai se dedicar com afinco nas próximas três semanas para consolidar a candidatura e partir para uma campanha corpo-a-corpo em janeiro. Os parlamentares entram em recesso em 23 de dezembro e só retornam em fevereiro.
“Até o recesso, vai clarear o que é concreto e o que não é concreto”, diz. Depois, ele pretende ir atrás dos parlamentares, principalmente os novos. “É preciso identificar os deputados novos na Casa, e vou programar viagens até os estados para me articular.”

Rede pública poderá ter ensino em tempo integral a partir de 2016

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) deve analisar na terça-feira (2) projeto que pode levar a educação em tempo integral a todos os estudantes de ensino fundamental da rede pública nos próximos dez anos (PLS 255/2014).
De acordo com o projeto, o ensino fundamental passará a ter 1.400 horas-aula por ano – 600 a mais do que a quantidade atual. Como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) estabelece um mínimo de 200 dias letivos, isso representa um aumento de cerca de três horas de aula por dia .
Segundo o autor da proposta, senador Wilson Matos (PSDB-PR), as horas adicionais serão implementadas gradativamente, a partir de 2016. Nesse ano, apenas os estudantes do primeiro ano do ensino fundamental serão atendidos. No ano seguinte, a nova configuração será aplicada também ao segundo ano. Assim, sucessivamente, todos os anos estarão sob o novo regime educacional até 2025.
A medida também será inscrita entre as metas do Plano Nacional de Educação (PNE), de forma a assegurar seu monitoramento e avaliação pelos órgãos superiores competentes. A meta atual relativa à educação integral exige apenas 50% da rede pública contemplada até o fim da vigência do Plano.
Para Wilson Matos, essas metas são insuficientes, pois o sistema continuará discriminatório e excludente, fazendo com que muitos alunos abandonem as escolas por desmotivação.
“Temos que ter um projeto pedagógico que contemple 50% a mais de aprendizagem em conteúdos específicos de Matemática, Ciências e Língua portuguesa. O restante do tempo deverá ser dedicado à aprendizagem de artes, estudos filosóficos, esportes e outros programas”, explicou o senador.
O projeto cria ainda uma nova carreira para reduzir o custo do segundo turno e garantir educação de qualidade, a de “mediador do conhecimento”, que pode ser exercida por professores ou estudantes universitários.

Emendas

O ensino médio também é mencionado no projeto. A nova meta prevê que pelo menos 25% dos estudantes dessa faixa educacional na rede pública sejam contemplados pela educação integral até o fim da vigência do PNE. Entretanto, a proposição não apresenta um calendário específico de implantação da medida para o ensino médio. Emenda do relator na CE, senador Cristovam Buarque (PDT-DF), também incluiu a educação infantil nessas regras. Ele também fez outras adequações de redação entre o projeto e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação.
Na última reunião da comissão foi concedida vista coletiva. Na terça-feira serão realizadas duas votações nominais, uma para o projeto e outra para as emendas.

Outros projetos

Constam da pauta da CE outros 12 itens. Entre eles, o projeto que torna obrigatória a prestação de assistência psicológica continuada aos atletas profissionais (PLS 13/2012); a proposta de concessão, pelo empregador, de bolsa de estudo aos dependentes de seus empregados para sua formação técnico-profissional metódica (PLS 514/2007); dois itens que tramitam em conjunto sobre comemoração e adiamento de feriados (PLS 108/2009 e PLS 296/2009); e o que obriga a realização de exames oftalmológicos e auditivos nas escolas públicas de ensino fundamental (PLS 165/2010).
A reunião começa às 11h, na sala 15, da Ala Senador Alexandre Costa.
Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Urca tem três novos cursos aprovados

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou ontem parecer de aprovação de três doutorados interinstitucionais e um mestrado interinstitucional para a Universidade Regional do Cariri (Urca), em parceria com instituições de ensino do País.
A Urca comemora as aprovações dos Doutorados Interinstitucionais (Dinter) de Enfermagem, História e Linguística e um Mestrado Interinstitucional em Geografia, ampliando as oportunidades e facilitando as condições para a realização de pós-graduação na Instituição.
Qualificação
A reitora da Urca, Otonite Cortez, recebeu, nesta semana, os coordenadores locais dos cursos stricto sensu e representantes dos departamentos de História, Enfermagem e Línguas e Literaturas, além de Geociências, e parabenizou a todos pelo esforço conjunto dos docentes em prol da qualificação.
"Essa oportunidade de poder realizar os cursos aqui, em parceria com as instituições de ensino acontece de forma facilitada, sem que os docentes tenham que se deslocar com tanta frequência, ocorrendo a forma de maneira mais acessível", diz a reitora.
Otonite Cortez ressaltou o benefício em prol do desenvolvimento institucional, que se fortalece para que, num futuro próximo, novos cursos stricto sensu sejam implantados pela própria Universidade, com um corpo docente qualificado para aprovação de projetos que beneficiem a Urca com cursos de mestrado e doutorado. A reitora destacou o crescimento no número de doutores nos últimos anos na Instituição, que atualmente tem seu quadro de 332 professores efetivos, sendo 105 doutores e mais 37 em fase de doutoramento.

Na UTI, Pelé faz hemodiálise e não tem infecção sistêmica, diz hospital

Ex-jogador está internado desde segunda-feira no Albert Einstein, em SP.
Boletim médico diz que bactéria responde a tratamento com antibióticos.


Do G1 São Paulo
Pelé posa ao lado de busto (Foto: Reprodução/Santos TV)Pelé está internado em hospital de São Paulo
desde segunda-feira (Foto: Reprodução/Santos TV)
O ex-jogador Pelé, de 74 anos, segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, nesta sexta-feira (28). Segundo boletim médico divulgado pelo centro médico a tarde, "a única bactéria identificada até o momento é sensível aos antibióticos utilizados. Não foi identificada nenhuma infecção sistêmica".
O ex-jogador está lúcido, respira sem ajuda de aparelhos e apresenta melhora em sua condição clínica, mas segue em hemodiálise como tratamento de suporte renal, sem necessidade de outras terapias.
A assessoria do hospital informou, na quinta-feira (27), que Pelé tinha infecção abdominal. Ele foi levado para a UTI por ser um melhor local para monitoramento do quadro, segundo o hospital.  Pela manhã, ele tinha sido transferido para a unidade de cuidados especiais do hospital. Segundo o primeiro boletim médico, o ex-atleta, que foi internado para tratar de uma infecção urinária, seguia hospitalizado com “instabilidade clínica”.
Internação
Na segunda-feira, Pelé fez exames de rotina e precisou ser internado após ser constatado que ele estava com a infecção. Na quarta-feira (26), ele recebeu antibióticos por via endovenosa.
No dia 12, Pelé foi para o mesmo hospital na capital paulista após se queixar de dores. Os exames mostraram que ele tinha cálculos renais, ureterais e vesicais, o que causa obstrução ao fluxo urinário. Ele foi operado e recebeu alta dois dias depois.
Em 2012, Pelé esteve internado no mesmo hospital para uma cirurgia no quadril. No procedimento, foi retirada parte do osso e colocada no lugar uma prótese de titânio e cerâmica. O ex-jogador sentia dores constantes no quadril, ao jogar tênis e até quando caminhava.
Veja a íntegra do último boletim médico:
O paciente Edson Arantes do Nascimento (Pelé) vem apresentando melhora de sua condição clínica e segue sob cuidados na unidade de terapia intensiva. Continua em tratamento temporário de suporte renal (hemodiafiltração veno-venosa contínua) e lúcido. O paciente respira espontaneamente. A única bactéria identificada até o momento é sensível aos antibióticos utilizados. Não foi identificada nenhuma infecção sistêmica. O paciente alimenta-se normalmente por via oral. O Hospital fornecerá boletim assim que houver nova informação.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

CINEASTA CARIRIENSE ROSENBERG É O MAIS NOVO CIDADÃO BARBALHENSE


Bastante concorrida à sessão solene que outorgou o título de cidadão barbalhense ao escritor e cineasta Antônio Rosemberg deMoura(Rosenberg Cariri), na noite desta quarta-feira 19, no plenário 13 de Junho do Palácio Luiz Filgueira Sampaio, sede do Poder Legislativo.
À autoria da outorga do título de cidadão foi dos vereadores, Daniel Cordeiro de Sá Barreto que presidente da Casa e do vereador Rildo Teles. Na sessão solene, registraram-se as presenças da vice-prefeita Maria Betilde Sampaio Correia, que esteve representando o prefeito Zé Leite; do secretário de Cultura Antônio de Luna; do jornalista e professor João Hilário Coelho Correia; do escritor e historiador o médico, Napoleão Tavares Neves; Zuleide Fernandes, representante da URCA (Universidade Regional do Cariri); Dra. Juraci Maia representante da UFC; representantes da Fundação Pró-Memória; da secretária de Cultura do Crato; Danny de Jader; poetas; professores e historiadores, além da representatividade da cultura popular do Cariri, através dos grupos folclóricos, reisados, penitentes, incelencias e os irmão Anicetos, famosos pelos seus pífanos e zabumbas. Rosenberg Cariri é natural de Farias Brito, nos1980, lançou a revista que integrava movimentos artísticos da cidade do Crato (Nação Cariri), em circulação de 1981 a 1987. Seus trabalhos têm a finalidade de dar voz às minorias, preservar a história e as raízes da cultura popular do Nordeste.
O secretário de Cultura de Barbalha, Antônio de Luna, ressaltou o momento e disse que Rosemberg Cariri a partir de agora, é um irmão institucionalizado (um cidadão barbalhense), vai levar ainda com mais força, a cultura barbalhense além fronteiras.
O historiador, escritor e médico Napoleão Tavares Neves, disse que foi um momento impa, porque é um reconhecimento, em borá tardia. Porque Rosemberg projetou Barbalha a nível nacional através da festa de Santo Antônio.
A vice-prefeita Maria Betilde Sampaio Correia, disseque o município não poderia deixar de estar presente, porque Rosemberg Cariri fez muito por Barbalha, divulgando acultura popular. “Foi um título mais do que merecido, nós temos que ficar felizes por esse filho ilustre, ainda vai divulgar muito o nome de Barbalha pra muito longe”, disse.
O presidente da Câmara Municipal, vereador Daniel Cordeiro disse que o momento foi especial, não só para Barbalha, mas, para o Legislativo em poder conceder o título de cidadão ao cineasta Rosemberg Cariri, porque ele levou o nome de Barbalha não só para o Brasil, mas, para o mundo.
O vereador Rildo Teles, disse que foi uma justiça em outorgar o título de cidadão a Rosemberg cariri, diante do que ele fez pela Barbalha, mostrando a cultura local.
O Jornalista e professor João Hilário, em suas palavras enalteceu a pessoa de Rosemberg Cariri, desde 1996 quando esteve aqui em Barbalha filmando o filme de projeção nacional, Corisco e Dada. ”Rosemberg Cariri é de uma grandeza extraordinária, pelo seu talento, pelo seu caráter e pelo que ele fez, e faz divulgando o Cariri, divulgando Barbalha, a nossa cultura, nosso povo, nossas terras, por isso que hoje, Rosemberg é um cidadão Cariri, ele é um mestre da cinematografia do Nordeste”, disse João Hilário.    
 Fonte: www.barbalha.ce.gov.br

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Morre, aos 71 anos, o cantor brega Genival Santos

Músico tinha câncer de pulmão e estava internado há um mês

O cantor brega Genival Santos morreu nesta terça-feira, à tarde, em Fortaleza, aos 71 anos. Com uma discografia das mais conhecidas no Brasil, Genival Santos lutava contra um câncer no pulmão. Internado há um mês no Hospital de Messejana, em Fortaleza, o músico não resistiu à doença.
 
As músicas mais executadas nas rádios brasileiras de Genival Santos são Sendo AssimSe Errar Outra VezEu Lhe Peguei no FlagraEspelho FielPeço Bis,Preciso Parar Pra PensarSe For Preciso e Crucificado do Amor.
 
Ele ainda foi Intérprete de Cada Coração Sabe o Que QuerRosa Amarela,Carimbó da MeninaVem Morar ComigoMenina da Praia e Eu Não Sou Brinquedo. Genival Santos vendeu mais de 5 milhões de discos. Nascido na Paraíba, o músico morava na capital cearense há 30 anos. A família marcou o enterro para esta quarta-feira, no Parque da Paz, em Fortaleza.

Documentário lança nova luz sobre a música brega
Caixa recupera quatro discos essenciais de Odair José dos anos 1970
10 documentários sobre música para assistir agora no Netflix

De acordo com informações de produtores do cantor, ele lançou 28 discos e vendeu cinco milhões de cópias ao longo de sua carreira.